Dicas para se tornar um verdadeiro multiplicador do conhecimento

Neste post, separamos dicas de ouro para se tornar um verdadeiro multiplicador do conhecimento retiradas do livro “Instrutor Master – O papel do Instrutor no Processo de Aprendizagem, escrito por Flora Alves, CLO da SG – Aprendizagem Corporativa e idealizadora do Trahentem®. Confira!

Utilize efetivamente técnicas de apresentação, como contato visual, gestos, técnicas não verbais, entusiasmo pelo tópico, recursos visuais, entre outros

Quando você demonstra entusiasmo e mantém a atenção do grupo focada no que é relevante você está contribuindo para que os estímulos que concorrem com você sejam percebidos como irrelevantes.

A visão é responsável por 83% das informações que captamos no ambiente, a audição por 11%. Ao estabelecer contato visual e utilizar sua voz para demonstrar entusiasmo pelo tema e combinar recursos visuais de maneira adequada você está contribuindo para o envolvimento dos sentidos de seus aprendizes de maneira organizada e significativa e isso favorece o aprendizado.

Preste atenção em sua comunicação verbal. A projeção da sua voz, o passo e a frequência são cruciais para uma boa apresentação. Faça contato visual para que as pessoas se sintam parte da apresentação e também para detectar a compreensão, incompreensão e até mesmo aborrecimento em sua audiência. Evite estar parado muito tempo e também movimentação brusca e intensa. O nervosismo pode levar você a usar determinado gesto repetidamente (o click de uma caneta, por exemplo).

Use perguntas para aumentar as oportunidades de aprendizado

O uso de perguntas se tornou parte integrante de qualquer intervenção e quanto melhor você se tornar na arte de perguntar, melhor será a qualidade das respostas, reflexões e aprendizados de seus multiplicadores. Podemos classificar as perguntas em três categorias conforme abaixo:

Perguntas abertas – são perguntas que requerem respostas compostas por mais de uma única palavra permitindo que os participantes expressem seus pensamentos, sentimentos ideias e opiniões. Utilizar este tipo de pergunta é excelente para obter o engajamento das pessoas.

Perguntas fechadas – às vezes é preferível utilizar este tipo de pergunta especialmente para obter respostas específicas sobre fatos e informações. Um bom exemplo é uma situação na qual você pode querer saber quem leu o texto enviado anteriormente.

Perguntas hipotéticas – são utilizadas quando se deseja levar as pessoas a pensar livremente sobre um assunto para o qual muitas respostas podem ser válidas. Suponha que você esteja facilitando um treinamento sobre atendimento, um bom exemplo de pergunta hipotética poderia ser: “E se um cliente com quem você está falando ao telefone ficasse tão irritado a ponto de dizer que deseja cancelar o contrato e ir para a concorrência? O que você faria?

Utilizar perguntas é uma arte que anda de mãos dadas com a escuta. Ao fazer uma pergunta para o grupo esteja preparado para esperar a resposta. Não há nada pior que fazer a pergunta e responder logo a seguir. Quando a pergunta é boa o grupo precisa pensar para responder. Sempre acolha as respostas trazidas pelo grupo, agradecendo e construindo a partir dos comentários dos participantes.

Ao se preparar para facilitar uma experiência de aprendizagem procure refletir sobre as dúvidas que podem surgir e faça boas perguntas que você faria se estivesse na audiência. Essas perguntas podem funcionar como starters de conversação de uma atividade em duplas ou em grupos. Ao elaborar perguntas assegura-se de que elas estejam alinhadas aos objetivos de aprendizagem propostos, além de conectadas com as situações reais da rotina se seus aprendizes. Utilize assim perguntas para investigar:

– O que sua audiência precisa aprender a respeito de determinado assunto?
– Que desafios as pessoas estão enfrentando relacionados ao tema?
– Que outras soluções eles podem sugerir para um determinado problema?
– Quais os passos recomendados para a solução de um problema?
– Que recursos essenciais são necessários para a execução de uma tarefa?
– Em que condições uma determinada situação pode acontecer e o que fazer para prevenir sua ocorrência?
– O que está impedindo os seus aprendizes de chegar a um determinado resultado?
– Que comportamentos favorecem ou atrapalham a execução de uma determinada tarefa?

Oferece suporte verbal e não verbal às respostas dos participantes

Note que este comportamento está diretamente relacionado ao anterior e também à sua escuta. Sempre que alguém responder a uma pergunta é essencial que você valide esta contribuição. Ao fazer isso você estará acolhendo a pessoa que respondeu e também estimulando os demais a participar.

Agradeça a contribuição, seja um bom ouvinte e esteja presente para fazer conexões. Evite fazer comentários que expressem julgamento mesmo que sejam positivos. Imagine que você tenha acolhido contribuições com cumprimentos do tipo “brilhante observação” e “excelente resposta” para as duas primeiras pessoas e então a terceira responde algo totalmente em desacordo com você.

Responde às perguntas dos participantes efetivamente

Responder às perguntas dos participantes efetivamente significa resolver a questão trazida e se certificar de que sua resposta foi adequada. Ao responder as perguntas efetivamente você garante a eliminação de eventuais lacunas que poderiam atrapalhar esse processo.

Quando não souber da resposta aproprie-se da experiência do grupo perguntando como eles responderiam a esta pergunta ou resolveriam este problema. Demonstre segurança até mesmo para dizer que não sabe. E quando não souber prontifique-se para buscar a resposta e retorne com a maior brevidade possível.

Utiliza de fato técnicas de facilitação para conduzir os participantes por pelo menos um exercício

As técnicas efetivas de facilitação começam pela escolha da atividade. Evita a armadilha de selecionar uma atividade por tê-la utilizado anteriormente ou gostar dela. As atividades selecionadas para uma experiência de aprendizagem devem sempre contribuir para o alcance dos objetivos estabelecidos. Não se limite pelo vocabulário. A atividade pode ser um estudo de caso, uma prototipagem, uma dinâmica de grupo, um vídeo, um jogo e inúmeras outras experiências que você pode criar para facilitar o aprendizado no grupo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *