Treinando a força de trabalho de hoje

Muitas mudanças ocorreram nos últimos meses e com o Treinamento e Desenvolvimento das empresas não foi diferente. Vamos aos fatos: rápida digitalização de processos + a diversidade (cargos home-office, linha de frente, serviços essenciais). Sim, o mercado como um todo teve que se adaptar.

Apesar dos novos ajustes, podemos já concluir que o setor de Gestão de Pessoas entendeu a necessidade de os profissionais manterem o processo de aprendizagem para que possam crescer em suas carreiras e contribuírem com a inovação e o sucesso de suas companhias. Em uma pesquisa da SHRM (Sociedade para Gerenciamento de Recursos Humanos), 68% dos entrevistados relataram sustentar seu orçamento de treinamento ao longo da pandemia.

“A pandemia do novo coronavírus transformou mercados, lógicas de consumo e prioridades. Cresce a importância do olhar analítico da área de Recursos Humanos às habilidades que precisam ser desenvolvidas para solucionar as lacunas nos novos fluxos de trabalho. Quanto mais à empresa conseguir produtividade em um ambiente 100% digital, mais forte ela sairá da crise. Ao mesmo tempo, quanto mais desenvolvidas estiverem as habilidades cognitivas, sociais e emocionais dos colaboradores, mais assertiva será a recuperação”, afirma Flora Alves, idealizadora da metodologia Trahentem® e CLO da SG – Aprendizagem Corporativa.

A especialista reforça que fortalecer habilidades emocionais e sociais (skills interpessoais) vão garantir que os profissionais trabalhem em conjunto e alinhados, ainda que à distância. “Além disso, é preciso desenvolver as capacidades cognitivas: pensamento crítico, capacidade de resolução de problemas e criatividade se tornaram habilidades básicas em um modelo de trabalho cada vez mais autônomo e dinâmico. Construir skills ligadas à adaptabilidade e resiliência também é fundamental, apoiando os profissionais na construção do autoconhecimento, da autoconfiança e da inteligência emocional, possibilitando que eles aprendam com as experiências e se tornem mais resilientes”.

Confira 5 maneiras de impulsionar o desenvolvimento dos profissionais:

Aprimoramento dos profissionais – De acordo com o relatório do Fórum Econômico Mundial, as habilidades mais valiosas no futuro não são as técnicas, mas as de personalidade: inovação, liderança e inteligência emocional. As empresas precisam encontrar maneiras de continuar aprimorando (ensinando novas competências para que os profissionais permaneçam em suas funções atuais) e requalificando (ensinando novos conjuntos de competências para fazer a transição para uma função inteiramente nova). Os formatos variam de presencial e online, ao vivo e sob demanda, aprendizagem rápida gratuita a estudos formais pagos.

Liderança – O papel do líder mudou significativamente com a pandemia, pois eles tiveram que aprender a liderar uma força de trabalho distribuída remotamente de uma hora para outra. Os gestores devem fornecer não apenas suporte técnico, mas também emocional aos funcionários, que exigem treinamento e aconselhamento individualizado sobre como melhorar o feedback e a segurança psicológica. A carga técnica pode ser reduzida aplicando ferramentas de IA, como codificação aumentada.

Instrutores terceirizados – A contratação sob demanda não é só econômica, mas também oferece flexibilidade e a opção de contar com um grupo maior de especialistas em diferentes áreas. Alguns dos profissionais aposentados também podem passar a atuar como mentores ou consultores.

Aprendizagem passo a passo – Embora o treinamento formal seja fundamental, as empresas devem desenvolver também atividades de treinamento prático e experimental no ambiente de trabalho. Se não for possível devido ao distanciamento social, elas precisam encontrar maneiras de promover o compartilhamento de conhecimento entre profissionais e aprendizagem sobre o novo normal. Aprendizagem para o mundo de hoje é isso: disponibilizar aquilo que um indivíduo precisa aprender, na hora que ele precisa aprender, no formato que ele acredita que seja o mais adequado e na hora que ele precisa efetivamente deste conteúdo. Não adianta disponibilizar um conteúdo para uma pessoa que não esteja diretamente conectado com o contexto dela.

Compartilhamento de conhecimento – Um esforço significativo precisa ser feito para melhorar o compartilhamento de conhecimento e as lições aprendidas. Quando os profissionais deixam a empresa, os conhecimentos essenciais são perdidos, impactando severamente nos processos e na satisfação do cliente. As empresas precisam desenvolver métodos para garantir que as melhores práticas e lições aprendidas sejam compartilhadas e continuamente atualizadas.

Ferramentas adequadas

No Treinamento e Desenvolvimento das empresas é preciso usar metodologias adequadas para cada tipo de conhecimentos, afinal, antes de entrar em sala, seja ela virtual ou não, o facilitador precisa ter agilidade e assertividade na hora de desenhar seus treinamentos. E ter em mãos as ferramentas corretas torna-se um grande diferencial.  A Ferramenta Trahentem® Digital tem ganhado cada vez mais relevância neste momento, pois ela contribui 100% para que os facilitadores consigam fazer esse redesenho, mesmo estando a distância. Ela nasceu para promover a colaboração e agilidade para a construção de treinamentos experiências de aprendizagem efetivas e centradas em quem precisa aprender.

“Uma dica de ouro que posso deixar é: entregar uma experiência de aprendizagem a distância significa redesenhar o que você já fazia, não significa escolher uma boa ferramenta e fazer o que você fazia presencialmente. Nós não estamos desenvolvendo EAD, nós estamos desenvolvendo experiências de aprendizagem a distância. Isso significa que essa intervenção de aprendizagem tem que ser UMA EXPERIÊNCIA. E para isso, redesenho. É preciso escolher a ferramenta mais adequada para aquilo que queremos entregar e redesenhar o conteúdo para que ele seja absorvido e degustado”, finaliza Flora Alves.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *